Mensagem de agradecimento da delegada Nadir Batista Cordeiro aos colegas da Polícia Civil


Delegada Nadir Batista Cordeiro
Delegada Nadir Batista Cordeiro

“Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo.”  Fernando Pessoa

Ao final de mais de quarenta e três anos de serviços prestados a esta nobre Instituição, onde iniciei essa jornada como Escriturária, Escrivã, Comissária de Polícia e ao fim Delegada de Polícia de Classe Especial I. Trilhei esse longo caminho sempre com o compromisso de cumprir meu dever de valorizar essa casa que me acolheu e muito me ensinou, através de profissionais como o Dr. Antônio Gonçalves e a Dra. Natalina Maria Rodrigues, “in memoriam”, esta, a primeira Delegada de Polícia do Brasil, quiçá do mundo, que serviu de exemplo e modelo para muitos Estados, no momento em que tentavam impedir o ingresso de mulheres na Polícia Civil, o que ao meu ver e de muitas autoridades desse país afora só veio a dignificar e humanizar ainda mais a Instituição. Eu gostaria de deixar uma mensagem de despedida ao povo goiano, goianiense e aos meus colegas.

Dentre muitos outros exemplos de dignidade e profissionalismo, gostaria de destacar e parabenizar o trabalho do jovem Delegado de Polícia Manoel Vanderic Correa Filho da cidade de Anápolis/GO, à frente de um Distrito e outras duas Especializadas, de Proteção ao Idoso e ao Deficiente Físico e Mental, que promove em conjunto com voluntários ações de cunho policial e assistencial, de notória sensibilidade.

Atuei em várias Delegacias Especializadas e Distritos Policiais, onde sempre dei o meu melhor, atendendo todos indistintamente – do morador de grandes condomínios fechados aos de periferias, estes, muitas vezes invisíveis aos olhos da sociedade – sempre com respeito e dignidade, como eu gostaria de ser atendida, pois fiz esse compromisso quando assumi a profissão.

A Delegacia da Mulher me deu mais visibilidade, por ser uma Delegacia pioneira aqui em Goiás, sendo a segunda a se instalar no país, pois São Paulo saiu à frente. A DEAM (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher) foi criada em nosso Estado por meio de Decreto Governamental, que foi elaborado por uma Assessoria Jurídica que especificou quais os crimes de competência desta, posteriormente, vindo a servir de modelo para outros Estados, através de resolução do Ministério da Justiça. Surtiu tanto efeito que fomos representar nosso Estado e levar essa experiência a Portugal e Cuba, por decreto do Governo Estadual.

Minha passagem pela DEPAI (Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais) levo como um presente, difícil descrever em poucas palavras, pois lá vivenciei experiências que me transformaram como pessoa, ao lidar com adolescentes infratores, trabalho este feito em parceria com a Secretaria Cidadã. Saí de lá bem mais amadurecida, com o compromisso e anseio de procurar ajudar e encaminhar esses infratores a um novo recomeço.

Atualmente, sendo Delegada de Polícia de Classe Especial I, encontro-me lotada na 24ª Delegacia de Polícia de Goiânia, onde tenho a oportunidade de estar mais próxima das pessoas que querem e precisam ser ouvidas, atendidas e seus problemas resolvidos, para que sintam que o Estado se preocupa com elas, pois estas pagam seus impostos e querem receber essa contrapartida do Governo. A estas pessoas que tive a oportunidade de atender, deixo um abraço do tamanho do mundo, todos que me procuram sabem desse carinho e respeito que tenho por eles.

Aos meus ilustres colegas, clamo que cumpram seus juramentos, que vão muito além do que foi dito no dia que assumiram essa profissão. Nosso compromisso é muito maior e quem lhes fala já passou por muitos “perengues” e “glórias”, sem nunca deixar a vaidade subir à cabeça ou tentar prejudicar quem quer que seja, quem me conhece melhor, sabe do que estou falando.

Nossa missão é honrosa e cheia de espinhos, mas vamos dar as mãos e procurar valorizar todos os dias de nossas vidas essa maravilhosa Polícia Civil, que depende muito e totalmente desse compromisso que nós assumimos. Não posso chamar de passagem aquilo que se tornou minha vida, uma paixão pela Polícia Civil ao longo desses anos de dedicação.

Me orgulho muito pela oportunidade de poder me dirigir a vocês com a participação e contribuição de todos que me acompanharam, para sempre a paixão e a gratidão estarão comigo, onde quer que eu esteja, bem como à minha família, especialmente aos meus filhos, netos e genro, que me apoiaram em todos os momentos da minha vida. Seria egoísmo dedicar esse texto para falar daquilo que eu fui ou fiz ao invés de expressar o tamanho do meu sentimento para com essa Instituição. Jamais me esquecerei de tudo o que vivi. Eu me despeço dizendo o seguinte: “Se dez ou mil vidas eu tivesse eu seria novamente policial civil”. Pensem e reflitam, e como dizia Cora Coralina: “Fiz a escada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores”. Feliz 2017!!

Dezembro/2016

Nadir Batista Cordeiro