Em nota, SINDEPOL se coloca à disposição do Governo do Estado a fim de construir soluções para Segurança Pública

ADPEGO, APPEGO, SINPOL e UGOPOCI também assinam o texto


O SINDICATO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA DO ESTADO DE GOIÁS, presidido pelo DELEGADO ADRIANO SOUSA COSTA, é um dos cinco signatários de nota oficial divulgada nesta quinta-feira (3), onde entidades representativas dos Policiais Civis do Estado de Goiás “manifestam apoio” ao Governador Ronaldo Caiado, ao Secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, e ao DELEGADO-GERAL DE POLÍCIA CIVIL, ODAIR JOSÉ SOARES.

A nota também menciona a convicção do SINDEPOL e das demais entidades acerca da quitação da folha salarial dos Policiais Civis. “…a equipe governamental, sob o comando do Governador do Estado, saberá contornar a crise
orçamentária iniciada em gestão anterior, promovendo o pagamento dos policiais civis no prazo legal (até dia 10 de janeiro de 2019).”

Assinam a nota (Leia-a na íntegra logo abaixo) com o SINDEPOL a Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Goiás (ADPEGO), a Associação dos Papiloscopistas do Estado de Goiás (APPEGO), o Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás (SINPOL) e a União Goiana dos Policiais Civis (UGOPOCI).

NOTA CONJUNTA

As entidades representativas dos Policiais Civis do Estado de Goiás (ADPEGO, APPEGO, SINDEPOL, SINPOL e UGOPOCI) vêm a público manifestar apoio ao novo Governador do Estado de Goiás (Ronaldo Caiado), ao novo Secretário de Segurança Pública (Rodney Miranda) e ao Delegado-Geral da Polícia Civil (Odair José Soares). Os Policiais Civis de Goiás mantêm-se confiantes de que a equipe governamental, sob o comando do Governador do Estado, saberá contornar a crise orçamentária iniciada em gestão anterior, promovendo o pagamento dos policiais civis no prazo legal (até dia 10 de janeiro de 2019). As unidades representativas acreditam na força do diálogo e se colocam à disposição do novo governo para, em conjunto, construir soluções para a Segurança Pública do Estado de Goiás e, também, para a presente crise.