8ª DRP de Rio Verde elucida caso de falsos sequestro

Resultados das investigações foram apresentados em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 15


Equipes da 8ª DELEGACIA REGIONAL DE RIO VERDE, cujo titular é o DELEGADO DANILO FABIANO CARVALHO, elucidaram um caso de falso sequestro naquela cidade – localizada a 210 quilômetros da Capital – e apresentaram, nesta segunda-feira (15), os detalhes à imprensa – também participou da coletiva a DELEGADA THAÍSA ANTONELLO.

Herlândia Nunes Rodrigues, de 26 anos, não só forjou o próprio sequestro no último dia 8 de abril, como já havia praticado ato semelhante em 2016. E mais: foi condenada quando tinha 17 anos por matar envenenado um cunhado.

Ela foi presa temporariamente no último sábado, 13 de abril. “Tudo leva a crer que a farsante provoca essas situações de falso sequestro para se passar por vítima e obter notoriedade”, explica DANILO FABIANO. O último “sequestro” dela chegou a ser transmitida ao vivo pelo seu perfil no Facebook – exigência, segundo ela, do “sequestrador”, Matheus Campos de Oliveira, de 23 anos.

De acordo com o titular da 8ª DRP, Herlândia fez um Boletim de Ocorrência em 2016 onde alegou ter sido roubada, feita de refém e levada para uma rodovia em Rio Verde. À época, os policiais registraram o caso e começaram as investigações. Entretanto, nada, nem um único indício do tal crime foi encontrado, apesar de todas as diligências.

“O Matheus, que fez o sequestro, sabia de tudo. Eles planejaram tudo juntos. Talvez seja por isso que ela tentou matá-lo, para que ele não contasse nada”, contou o DELEGADO referindo-se ao fato de que Herlândia atirou contra Matheus, acertando-o na boca. Ele informou ainda que caso fique comprovado sem viés de dúvida o planejamento do falso sequestro, Herlândia vai ser indiciada por tentativa de homicídio e falsa comunicação de crime.

Cunhado
Ainda segundo DANILO FABIANO, em 2010, quando Herlândia tinha 17 anos, ela foi condenada a cumprir medidas socioeducativas após matar o próprio cunhado envenenado. Na época, ela chegou a ter ajuda de sua irmã. Herlândia continua sob custódia até que o caso seja totalmente elucidado.