Feliz Dia Das Maes
Artigos

“Pedalada” policial

"Pedalada" policialAssim fica fácil. Na última quinta-feira (22), o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) anunciava redução expressiva (20%) nos homicídios cometidos pela polícia no terceiro trimestre, em comparação com o mesmo período de 2014.

Seria um dado digno de nota, ainda que no acumulado do ano o progresso fosse muito menor: uma diminuição de somente 2%.

Chegue-se mais perto e os 2% se revelam fruto de prestidigitação. A Secretaria da Segurança Pública omitiu as mortes ocasionadas por policiais militares em dias de folga, bem como por policiais civis.

No trimestre anterior, tais números tinham sido contabilizados. Levando-os em consideração, o indicador final é inverso ao que fora celebrado pela administração estadual. A polícia do governo Alckmin aumentou sua taxa de vítimas em 1% no período até setembro de 2015. A queda de 2% não existiu.

O que existiu, vale o termo da moda na política, resume-se a uma indisfarçável “pedalada” policial. Só depois da insistência desta Folha foram liberadas, às 21h de quinta-feira, as informações que invertiam o anúncio feito antes.

Tão grave quanto, nada se sabe sobre o que fizeram os PMs em folga no ano passado, pois os dados são mantidos em segredo. Há razões para temer os atos de agentes de segurança assim acobertados.

A maior chacina do ano em São Paulo –com pelo menos 23 mortos, em Osasco e Barueri– foi cometida, segundo as investigações, por policiais em seus momentos de folga.

Não há dúvida de que mortes em confronto com bandidos podem ocorrer em qualquer lugar onde a violência é endêmica. A prioridade da polícia é proteger a população –e o governo de São Paulo tem obtido sucesso nesse aspecto, com as menores taxas de homicídio por 100 mil habitantes.

Não está autorizada, porém, a aplicar pena de morte contra quem bem entender, fuzilando pessoas por suspeita, vingança ou racismo.

As estatísticas que se quis esconder são eloquentes. Seria preciso mais provas de truculência e descontrole? O noticiário as oferece.

Quando até um membro da Polícia Civil se vê na necessidade de ser escoltado para proteger-se de represálias da PM –caso do delegado Raphael Zanon–, a distinção entre policial e criminoso já se ocultou na fumaça dos tiroteios.

O delegado prendera um sargento da Polícia Militar, suspeito de tortura –e a distinção entre torturador e agente da lei também se confunde, de forma abominável.

Já o secretário da Segurança, Alexandre de Moraes, nega existir conflito entre as polícias. Ao que parece, seu compromisso com a verdade também se conta entre as vítimas dos massacres em curso.

Fonte: Editorial Folha de S.Paulo

Botão Voltar ao topo